O que é mais vantajoso? Comprar Ações ou Opções?

Antes de chegar em uma análise definitiva sobre comprar ações ou opções, devemos entender que ambas são instrumentos de renda variável. Não há “garantias” em renda variável, logo, a primeira conclusão que podemos tirar é que não há certeza alguma de lucro no momento que se toma uma posição em um destes instrumentos. Agora que sabemos dos riscos, vamos em frente.

Vamos analisar duas situações, a compra de uma ação, e a compra simultânea de uma opção. Temos os seguintes dados hipotéticos:

Ação = R$ 30,00

Opção strike* 30 = R$ 2,00

*Strike = Preço de Exercício da Opção.

Sabemos que as opções possuem uma data de vencimento, então, iremos analisar a compra até a data de vencimento! Nosso vencimento será daqui a 2 semanas. A quantidade de ações e opções compradas serão iguais a 1000. Certo, temos o seguinte:

Ação = 1.000 x 30,00 = 30.000 reais

Opção = 1.000 x 2,00 = 2.000 reais

Podemos observar que o desencaixe de dinheiro para ação é 15 vezes maior que da opção. Agora vamos traçar dois cenários na data de vencimento da opção (2 semanas):

  1. Mercado fechando em alta
  2. Mercado fechando em baixa

1.Cenário de Alta – Ação custando R$ 40,00 na data de vencimento da opção.

Se o mercado for altista, a ação irá valorizar. Para o comprador da ação, o ganho foi de R$ 10,00 por ação:

Lucro da Ação = 1.000 x (40 – 30) = 10.000 reais

E o que acontece com a opção? A opção valorizou com a alta da ação e custará no mínimo R$10,00. Porque ela valerá no mínimo 10? Por causa do valor intrínseco. Se o valor da ação está 40, e o preço de exercício da opção é 30, então o valor intrínseco é de 10. Então, a posição do comprador da opção será:

Lucro da Opção = 1.000 x (10 – 2) = 8.000 reais

Vamos analisar os resultados em duas perspectivas agora:

- A nível Absoluto e

- A nível de Relativo

Para o resultado Absoluto temos:

Ação: Ganho de R$10/ação ou 10.000 reais.

Opção: Ganho de R$8/opção ou 8.000 reais.

Para o resultado Relativo temos:

Ação: Retorno de 33% ou R$10,00/R$30,00.

Opção: Retorno de 400% ou R$8,00/R$2,00.

Observe que o trader das opções ficou muito mais alavancado e conseguiu arriscar muito menos dinheiro que comprador da ação. O trader de opções investiu 2.000 reais e ganhou 8.000 reais. O investidor das ações investiu 30.000 e ganhou 10.000 reais. Comparando os resultados, observa-se que a opção obteve um ganho de R$ 8,00 em termos absolutos. Repare que a opção capturou 80% do movimento da ação (a ação subiu 10 reais e a opção valorizou 8 reais, logo temos 8/10 = 80%), colocando em risco apenas 6,6% (2/30) do que foi disponibilizado no caso da compra da ação. No caso da ação, a captura foi de 100% mas o risco foi de 100% também.

2. Cenário de Baixa – Ação custando R$20,00 reais na data de vencimento da opção

Se o mercado for de baixa, a ação irá desvalorizar. Para o comprador da ação, o prejuízo foi de R$ 10,00 por ação:

Prejuízo da Ação = 1.000 x (20 – 30) = -10.000 reais

E o que acontece com a opção? A opção certamente não valerá nada, virou pó. Ninguém quer comprar ações pelo preço de exercício a 30 se você pode compra no mercado a R$20,00. Então, a posição do comprador da opção será:

Prejuízo da Opção = 1.000 x (0 – 2) = -2.000 reais

Vamos analisar os resultados em duas perspectivas agora:

- A nível Absoluto e

- A nível de Relativo

Para o resultado Absoluto temos:

Ação: Prejuízo de R$10/ação ou -10.000 reais.

Opção: Prejuízo de R$0/opção ou -2.000 reais. (2.000 reais foi o prêmio pago pela opção)

Para o resultado Relativo temos:

Ação: Prejuízo de -33% ou R$-10,00/R$30,00.

Opção: Prejuízo de 100% (a opção virou pó)

Repare que o prejuízo do comprador da opção ficou travado em 2.000 reais, isto é o máximo que ele poderá perder. Já o comprador da ação está no prejuízo de 10.000 reais. Comparando os resultados, a perda em opções foi de 100%, enquanto a ação perdeu -33%.  Ainda que a perda relativa seja considerável, a perda absoluta demonstra o contrário.

Podemos ilustrar o resultado da ação e da opção na data de vencimento:

Note que a única diferença entre comprar ação ou opção é que a ação tem prejuízo “ilimitado” (é claro que poderá chegar no máximo a zero). Mas você pode estar pensando: “A perda na ação não foi realizada, o acionista poderá segurar a ação até que ela volte a subir, ao contrário do comprador da opção que foi obrigado (a opção virou pó) a realizar o prejuízo. Não podemos esquecer de algo importante, ainda que o comprador da opção tenha o prejuízo de 100% do prêmio pago pela opção, ele poderá voltar a comprar a ação naquele momento e assumir a posição comprada em R$22,00 (R$20 + R$2,00 = Preço atual da ação + prêmio pago pela opção), ao passo que o investidor da ação comprou por R$30,00. Temos uma diferença de 8 reais/ação na volta ao mercado.

Concluindo…

Se o mercado permanecer no mesmo patamar do preço da ação, ou seja, se após 2 semanas a ação ainda estiver custando 30 reais, a perda na ação será apenas do custo de oportunidade para um outro investimento, enquanto para a opção será de 100% do capital investido. Podemos observar uma clara vantagem na compra da opção frente a ação em mercados que estão em alta volatilidade, seja de alta ou baixa. Em períodos de baixa volatilidade a escolha da estratégia comprada não é muito interessante. O artigo foi escrito levando em consideração as opções que sejam ITM ou ATM, opções fora do dinheiro poderiam não ser interessantes dado o elevado theta que elas possuem.

Sucesso nos trades, abraço!

Por:
Sulivan Santiago, MBA, CBA Finanças

Gostaria de publicar um artigo no www.blackandscholes.com.br e enviar para os membros do site? Envie para contato@blackandscholes.com.br